Ano novo, casa nova!

2014 promete ser um ano de muitas experiências e de muito aprendizado. Já no comecinho nosso pequeno completa três aninhos de existência, uma data significativa, pois marca o início de uma nova fase, mais independência, mais habilidades motoras e de comunicação e na escola ele deixa de frequentar o Krippe (berçário) e entra definitivamente no Kindergarten (jardim de infância) onde ficará até entrar na escola aos seis anos.

E para começar o ano preparada para tantas novidades, decidi mudar a casa do blog (agora estamos no wordpress) e trazer um layout mais personalizado, mais a nossa cara. A ideia continua a mesma, falar sobre maternidade, sobre escolhas, desafios, medos e conquistas. A responsável pelo new look é Juliana Kneipp, uma excelente designer que além de outras coisas trabalha com web scrapbook e soube captar a nossa essência.

Pensei em mil coisas para publicar nesse primeiro post do ano, e por fim decidi iniciar com boas energias, assim coloco abaixo um texto publicado na revista DS-UK, que fala sobre uma pesquisa envolvendo familiares de pessoas com SD e que mostra como somos felizes por pertencer a essa família.

Nos vemos por aqui em 2014 e Feliz Ano Novo!

Estudo demonstra que familiares de pessoas com SD são felizes

Ter a notícia de que seu filho tem ou terá síndrome de Down pode nos dar um susto, mas isso não significa que a experiência não seja maravilhosa segundo pesquisa realizada pelo Hospital Infantil de Boston, o Instituto do Câncer Dana-Farber e a Family Resource Associates, uma associação sem fins lucrativos que representa pessoas com deficiência e seus familiares.

Os pesquisadores entrevistaram mais de 3.000 familiares de pessoas com trissomia 21 em todos os estados americanos, em um estudo considerado um dos maiores realizados até então, quando se trata de olhar mais de perto a vida de pessoas com síndrome de Down. Os resultados foram publicados em três artigos no Amercian Journal of Medical Genetics e oferecem um quadro bastante otimista.

Quase todos os entrevistados com síndrome de Down disseram que estavam felizes com suas vidas, eles mesmos e sua aparência. Apenas quatro por cento disseram que se sentiam tristes com sua vida. Cerca de 90 por cento dos irmãos indicaram que eles sentem que são pessoas melhores por causa de seu irmão ou irmã com a deficiência.

“À medida que a discussão internacional está se fixando ao longo dos novos testes de pré-natal, os membros da família já tiveram uma palavra a dizer sobre a vida com síndrome de Down “, disse Susan Levine da Family Resource Associates. ” E, mais importante, as próprias pessoas com síndrome de Down afirmaram claramente que consideram suas vidas valiosas. ”

Os artigos foram divididos de acordo com os diferentes olhares, o primeiro aponta as perspectivas de pais e mães -Having a song or daughter with Down syndrome: Perspectives from mothers and fathers; o segundo trata da perspectiva dos irmãos - Having a brother or sisters with Down syndrome: Perspectives from siblings e o terceiro demonstra como as próprias pessoas com SD se veem – Self-perceptions from people with Down syndrome.

Nos próximos meses pretendo publicar aqui uma síntese dos três artigos. Já com relação à pesquisa, nada novo para o lado de cá, afinal definitivamente somos mais felizes depois da chegada do Adam.

Viver e não ter vergonha de ser feliz ....

Sem comentários

Seu email nunca será publicado Preenchimento obrigatório *

*

*