Dançando conforme a música

Na última segunda-feira nosso pequeno completou três aninhos. Comecei a pensar nos preparativos para a festa meses antes, por fim decidi comemorar na escola, junto de seus amiguinhos. Fiz pesquisa de cardápio, afinal as crianças alemãs têm um gosto diferente das crianças brasileiras para quitutes, aqui o velho e gostoso bolo recheado, brigadeiro e salgadinho não fazem sucesso. Na semana anterior fui às compras, já que aqui não temos essa cultura de bufe para festas infantis e preparei umas pequenas lembrancinhas para cada criança. Então na sexta-feira Adam chega da escola com um bilhete dizendo que uma das crianças está com escarlatina e para evitar um surto a direção decidiu suspender as aulas na segunda-feira. E agora Jose?

Confesso que num primeiro momento a minha principal sensação foi de frustação, puxa vida, pensei, logo no dia do aniversário do Adam? Mas depois, pensando bem, percebi que essa festa seria mais para nós pais que para ele, afinal Adam ainda não entende exatamente o que significa estar de aniversário, tampouco será menos feliz se assoprar as velinhas em outro dia da semana.

Nessa noite ao deitar fiquei pensando em quantas vezes eu fiz um plano e a vida fez outro, em quantas vezes tive que mudar os caminhos em função do mal tempo ou da percepção de que este não era o destino em que queria chegar. A própria chegada do Adam representou uma guinada nos meus planos tanto maternais como profissionais. Mas de uma coisa eu sempre tive a certeza, nenhuma mudança acontece de verdade se olhamos para o que deixamos, em vez de olharmos para o que queremos. Assim decidi parar de pensar no que planejara para esse dia e decidi que, mesmo não comemorando com os colegas e com os avós (que não podiam estar presentes nesse dia), faríamos do dia 20 de janeiro de 2014 um dia muito especial.

E assim foi, tiramos o dia off, acordamos tarde, cantamos parabéns duas vezes, uma em português outra em alemão , Adam assoprou sua velinha 3 vezes, abriu presentes, brincamos, dançamos, comemos mais bolo (dessa vez mandado pela oma), assistimos a um filme, Adam dormiu no colo do pai, coisa que geralmente não acontece porque papai não esta em casa na hora do cochilo, fizemos música juntos, enfim, foi uma segunda com cara de domingo, os três juntos, sem hora para sair ou chegar.

Na hora em que o colocamos na cama era visível o quanto ele estava exausto, mas também o quanto estava feliz. Perguntamos se ele havia gostado do dia e ele com aquele sorriso maravilhoso, fez os gestos de assoprar velinhas e bateu palmas. Nessa hora tive a certeza de que não importa o tipo de música que a vida nos dá, com certeza tudo será mais divertido se nos aventurarmos a dançá-la.

Sem comentários

Seu email nunca será publicado Preenchimento obrigatório *

*

*